domingo, 1 de maio de 2011

Mãe...


Mãe? Até hoje, secalhar não o saberia explicar. Até hoje, secalhar mãe era sinónimo de sustento. Mas hoje Mãe não tem limite, hoje Mãe é tempo sem hora. Mãe é aquela que por ti também chora. Mãe é céu, Mãe é nuvem doce, sol radiante. Mãe é diamante, sem preço. É a mais preciosa perola, Mãe é berço; Mãe é água pura, ar puro, puro pensamento sobre o qual eu adormeço. E hoje penso: Será que te dei todo o valor que mereces ? Será que como eu, tu de mim te esqueces? Hoje Mãe, sei. Que de mim nunca esqeceste, que por mim choraste e a Deus agradeceste. Mãe é o amigo mais verdadeiro que temos quando a dificuldade dura repentinamente cai sobre nós; quando a adversidade toma o lugar da prosperidade. Quando o mundo parece desabar em cima de nós, quando as lágrimas nos correm por cara abaixo e nos sentimos sós. Mãe é amor. O teu amor é diferente de qualquer outra coisa no mundo. Ele não obedece a lei ou piedade, ele é grande e sincero, é profundo. Ser Mãe, é dedicação, renúncia a si própria, força e sabedoria. Ser Mãe, é poesia. É amor sublime, belo e louco. Por isso Mãe, um OBRIGADO por tudo, é pouco; Até hoje, amei-te sem saber. E hoje sei, que por ti daria tudo por te amar demasiado e não te querer perder.

Sem comentários:

Enviar um comentário